10.4 C
Alcanede
Quinta-feira ,26 Novembro, 2020
Alcanede Economia Região Saúde

Covid-19: Grupo de empresários da freguesia de Alcanede une-se para oferecer ventilador ao Hospital de Santarém

Num verdadeiro espirito de entreajuda e de solidariedade um grupo de empresários da freguesia de Alcanede não hesitou ao desafio lançado pela empresa Mocapor-Pedramoca, de pagar na totalidade um ventilador ao Hospital Distrital de Santarém. À empresa que teve a ideia, juntaram-se a Fravizel Lda, o Grupo Frazão Lda e o Grupo José Rodrigues Lda, “neste propósito de ajudar quem mais precisa e quem está mais vulnerável, contribuindo com este equipamento para serviço do SNS e que irá ajudar a salvar vidas e mitigar os efeitos desta pandemia”.

Numa nota informativa enviada ao Portal de Alcanede, José Luís, presidente do conselho de administração da Mocapor-Pedramoca, lembrou que, “apesar da altura de incerteza que a generalidade das empresas enfrentam, com quebras na procura e consequente redução de vendas, barreiras logísticas, nomeadamente para exportação”, dando como exemplo o que se passa neste momento com os estivadores dos portos de Lisboa, “que continuam em greve numa altura em que o país mais precisa de ajuda, de abastecimento etc, não podíamos deixar de responder positivamente a este desafio que foi lançado, exortando a que outras empresas sigam o nosso exemplo, sozinhas ou em conjunto”, referiu o empresário.

Em resultado da escassez destes equipamentos no mercado, este grupo de empresas da nossa freguesia optou, e após conversações com a administração do Hospital Distrital de Santarém, por efetuar o pagamento de um ventilador da marca Dräeger, anteriormente já encomendado pelo HDS, e que será brevemente entregue permitindo assim a sua entrada em funcionamento mais rapidamente, nesta altura de grande urgência.

O equipamento, que foi escolhido pela administração do hospital, está devidamente certificado e homologado para poder entrar logo em funcionamento, custa 21.000 € e será assim custeado em partes iguais pelas referidas empresas.

A nota informativa indica também que, “diante dos impactos do Coronavírus, o mundo mobilizou-se para conter o rápido avanço da doença”, e que num momento como este, “o foco deve estar na saúde das pessoas e no controle da COVID-19, e as empresas têm o dever de contribuir para a adaptação e desenvolvimento da sociedade perante um cenário desta dimensão, implementando ações de formação e sensibilização, flexibilizando rotinas de trabalho, implementar planos de contingência, segregando equipas, disponibilizar serviços relevantes e, se possível, aumentar a contribuição através das verbas orçamentadas na sua rúbrica de responsabilidade social”, citámos.

A Mocapor-Pedramoca, fundada em 1983, dedica-se à extração, transformação e comercialização de rocha ornamental, exportando 80% da sua produção para mais de 30 geografias.

A Fravizel é uma empresa de engenharia metalomecânica com 35 anos de história. Comercializa para o mercado nacional e internacional, produtos e serviços destinados ao setor da rocha natural, construção civil, florestal, minas e indústria em geral.

O Grupo Frazão S.A., dedica-se à exploração e comercialização de rochas de origem calcária. Em conjunto com as outras três empresas, forma uma estrutura estável, que compreende todo o circuito da transformação da pedra.

O Grupo José Rodrigues – Investimento Imobiliário, Lda – é a sucursal em Portugal de um grupo com interesses essencialmente em Portugal e Angola.

Artigos Relacionados

Plataforma contra extinção pede às autarquias para não se pronunciarem

Paulo Coelho

União das Misericórdias enaltece missão de voluntários na Santa Casa no período mais crítico da pandemia da Covid-19

Portal Alcanede

Covid-19: Ponto de situação no concelho de Santarém

Portal Alcanede