13 C
Alcanede
Terça-feira ,7 Dezembro, 2021
Sociedade

Tentativas de agressão, ameaças e insultos marcam última Assembleia Municipal de Santarém

Foi tudo menos pacífica a última Assembleia Municipal de Santarém. A reunião, que já terminou durante a madrugada de quarta-feira, 10 de outubro, levou mesmo à intervenção da PSP para serenar os ânimos mais exaltados e evitar uma cena de pugilato entre os autarcas de Vaqueiros e Casével. 
Segundo o site Rede Regional, dezenas de populares, que fizeram questão de marcar presença nesta Assembleia Municipal, chamaram “chulos”, “vigaristas“, “ranhosos” e “caciques” à maioria PSD, impedindo-os várias vezes de usar da palavra e mandando-os “ganhar vergonha“.

Os presidentes de Junta de Vaqueiros, Firmino Oliveira, e de Casével, Carlos Trigo, só não chegaram a vias de facto porque o primeiro foi agarrado por eleitos e funcionários da Assembleia até à entrada da polícia. Esta terá sido, segundo a Rede Regional, a cena mais lamentável protagonizada por dois autarcas locais de freguesias que vão ser agregadas numa só, numa sessão extraordinária que tinha como assunto único a discussão do futuro mapa administrativo do concelho.
 

Depois de mais de duas horas de discussão, Firmino Oliveira perdeu a cabeça e a postura quando Carlos Trigo insinuou que ele não se soube movimentar politicamente para impedir o encerramento da escola da aldeia. O presidente de Vaqueiros bateu com a garrafa na mesa, levantou-se e arrancou na direção de Carlos Trigo, tendo sido agarrado por alguns dos elementos das bancadas, quando já estava instalado um ambiente de enorme confusão e gritaria, com toda a gente de pé e parte do público a invadir a zona reservada aos eleitos.
 

PSD acusado de “cozinhar” mapa com base em expetativas eleitorais

Apesar da freguesia de Alcanede, assim como as restantes freguesias do Norte do concelho de Santarém terem, segundo este mapa de reorganização administrativa do território, a sua situação clarificada, ou seja, tudo ficará como até agora, o documento prevê que o concelho passe a ter menos nove freguesias, através da associação das quatro freguesias urbanas da cidade (São Nicolau, Marvila, Salvador e Santa Iria da Ribeira), e da junção de Casével com Vaqueiros, Tremez com Azoia de Cima, Romeira com a Várzea, Vale de Figueira com São Vicente do Paul, e Achete com Azoia de Baixo e Póvoa de Santarém.
 

Com mais de uma centena de populares vindos das freguesias mais descontentes com as possíveis fusões e agregações (Vaqueiros, Vale de Figueira, Ribeira de Santarém e Póvoa de Santarém, sobretudo) a assistir aos trabalhos, as críticas dos presidentes de Junta foram inteiramente direcionadas à forma como os eleitos do PSD “cozinharam” o processo.
 

No centro das críticas, como refere o Rede Regional, esteve sempre Nuno Serra, o presidente da concelhia do PSD de Santarém e deputado na Assembleia da República, acusado de ter gerido a questão de forma a beneficiar as freguesias social-democratas por questões eleitoralistas, e de o ter feito com o beneplácito da própria comissão formada na Assembleia para discutir e preparar a fusão, agregação e criação de freguesias, cuja proposta final de cada município terá que ser entregue ao governo até 15 de Outubro.
 

Vários eleitos municipais lamentaram o facto da pronúncia que a maioria PSD na Assembleia Municipal fez aprovar a 20 de Julho não ser representativa, acusando a bancada social-democrata de ter levado um documento que não respeitava minimamente as propostas dos outros partidos e nem sequer dava tempo das Assembleias de Freguesia auscultarem as populações acerca das propostas de fusão com freguesias vizinhas.
 

Posta à votação, a proposta de revogação acabou por ser chumbada com 29 votos contra, 25 a favor e uma abstenção.
 

Fotos: Rede Regional

Foto RedeRegional AM3 Foto RedeRegional AM2












Artigos Relacionados

Casais da Charneca recebe 8ª edição da Festa do Vinho e 6ª Mostra Gastronómica

Paulo Coelho

Bombeiros de Alcanede – Assembleia Geral Extraordinária realiza-se no dia 16 de janeiro

Carlos Coelho

Novos órgãos sociais da Santa Casa de Alcanede assumem o lema “o primado das pessoas”

Portal Alcanede