5.7 C
Alcanede
Quarta-feira ,19 Janeiro, 2022
Artigos de Opinião

SCUTS – PORTAGENS – AUTO-ALDRABICES

Decisões mal decididas – Chip para  portagens nas Scut
Caros Amigos, hoje venho falar-vos de um tema quente e polémico… AS NOVAS PORTAGENS NAS SCUTS!
SCUT, significa: Sem Custos para o utilizador… mas os tempos são outros e devemos compreender que a crise e a situação financeira do país obriga à alteração de alguns conceitos, e deveremos concordar que a introdução das portagens nas SCUTS ajuda nos custos de manutenção e ainda ajuda o estado a arrecadar alguns trocos adicionais, que certamente ajudarão no combate ao défice.

SIM, sim devemos estar de acordo que o utilizador destes troços de via rápida ajudem o estado através do pagamento de uma portagem, a contribuir para as receitas do país, e que os utilizadores regulares locais (quer particulares quer empresas) estejam isentos nas respectivas zonas (devendo o processo de isenção dever ser préviamente bem esclarecido pelo governo).

NÃO, não devemos estar de acordo com o método/processo de cobrança via CHIP de identificação de matricula.
Vejamos: “UTILIZADOR PAGADOR” é diferente de “PROPRIETÁRIO PAGADOR”!…

Infelizmente, por incompetência dos envolvidos, ou por pressão de decisões rápidas, alguém decidiu antes da aprovação em sede própria (entenda-se assembleia da república) que o único método de pagamento para estas novas portagens seria o novo “CHIP da MATRICULA” fornecido pela empresa… (enfim!…), mas “esse” alguém esqueceu-se de alguns pormenores, que ainda não vi ninguém (inclusivé na classe política) argumentar:

Por exemplo, uma “Rent-a-car” que aluga uma viatura, irá ter que pagar as portagens relativas a viaturas alugadas a terceiros e que utilizaram as referidas SCUTS. Não penso que isto possa vir a ter concenso, ou que possa ser considerado coerente.

Um individuo que venda a sua viatura, irá suportar os custos posteriores durante algum tempo do novo dono da viatura (estamos em Portugal, e os processos burocráticos são lentos) relativos às passagens nas referidas SCUTS.

Um visitante estrangeiro que venha ao nosso país terá que OBRIGATÓRIAMENTE comprar o CHIP para poder andar nas referidas vias rodoviárias. ONDE, COMO, QUANDO, comprar o referido CHIP ?

Custa obrigatóriamente 25 €uros…

Alguém disse: “Passamos a andar com o ESTADO no banco de trás do carro”! Não há privacidade… E nos carros de dois lugares seremos multados por levar esse “estado” no banco de trás?, seremos investigados e todos ficam a saber por onde andámos?

NÃO FAZ SENTIDO!
Não nos podem obrigar a gastar 25€ e comprar “a porcaria” do CHIP” para podermos andar nas referidas SCUTS que já anteriormente pagámos com os nossos impostos!
Que criem postos de trabalho, ou então instalem infra-estrutura de pagamento automático, pois não é aceitável que o utilizador (pior…, o proprietário da viatura) seja obrigado a adquirir o “CHIP de MATRICULA” para poder andar nas referidas vias!, após decisão fará todo o sentido que uma grande parte adira a este método, MAS o método NÃO PODE SER IMPOSTO, tem de ser opcional!

Devemos lutar para que cada cidadão/proprietário da viatura, possa decidir se quer ou não aderir ao CHIP, podendo no entanto circular pelas SCUTS mesmo que não pretenda gastar os tais 25€ iniciais!

Enfim, é apenas mais uma das medidas pouco e mal pensadas, das pessosas que democraticamente foram eleitas e nos representam, e a quem pagamos os salários através dos nossos impostos…

Por fim, refiro que como em muitos outros casos, devido aos nossos decisores (entenda-se políticos eleitos democraticamente), irá haver lugar a compensasões indeminizatórias, aos fabricantes dos “CHIPS” que negociaram com o governo um determinado “forecast” mensal, o qual como penso que é obvio, ficará muito aquém pois o método CHIP não poderá ser o único meio de pagamento a utilizar no pagamento das novas portagens nas SCUTS.

FICO TRISTE, pois é o nosso país que constantemente utiliza o slogan “VIVEMOS ACIMA DAS NOSSAS POSSIBILIDADES”.

Mas quem, onde e como ?…

Artigos Relacionados

As Diferenças

Portal Alcanede

Um Silêncio que vale… euros

Paulo Coelho

“Ámen” só na igreja e a um único Senhor

Paulo Coelho