5.7 C
Alcanede
Quarta-feira ,19 Janeiro, 2022
Artigos de Opinião

Olha, vai ali aquele estúpido!

Ao logo dos anos tenho ouvido recorrentemente uma expressão que me inquieta, decerto já ouviram alguém dizer,“olha vai ali aquele estúpido!”. Estúpido para isto estúpido para aquilo, num vai e vem incessante de estupidez. Creio que há uma matriz mais ou menos homogénea que faz da estupidez um modo de vida, mas na realidade o que eu mais desejava era experimentar aquela sensação na pele, como que a penitenciar-me por achar que não sou estúpido suficiente.

Então resolvi tentar encarnar alguém que eu considerasse um estúpido com todas as letras, para que as sensações pudessem de facto absorver-me. É claro que não recomendo este exercício, porque para além de ser arriscado, esgota praticamente todas as energias de um ser humano, que apesar de tudo tem direitos, até a ser estúpido.

Então pensei, vou escolher um dia da semana para “encarnar”, um fulano estúpido, por acaso foi a uma quinta-feira. Então bem cedinho arquitectei uma coisa estúpida, e simples como convêm para a estupidez, vai dai cheguei ao emprego e comecei a dizer que os fulanos da meteorologia passavam a vida a enganar-se nas previsões, falei tão despudoradamente de meteorologia, até ouvir um colega dizer, “és tão estúpido! o que é que tu entendes de meteorologia?”, a pessoa em causa fê-lo com uma tal convicção que não tive coragem de dizer que aquilo era um exercício. Já estava a arrepender-me quando me recompus, falei de tudo e mais alguma coisa até a incoerência total.

Ao ponto de começar a achar que os homens da meteorologia afinal, até são mágicos, mas sempre com algumas reservas. Os colegas olhava-me boquiabertos, quando resolvi colocar em causa a ida do homem à lua, não satisfeito testei a estupidez ao limite quando vim almoçar a casa, passados longos minutos a mulher finalmente lá resolveu pronunciar a palavra que eu tanto ansiava, “estás estúpido ou é impressão minha”.

Comecei a ficar agastado e a imaginar que afinal de contas os estúpidos nem se apercebem que o são, melhor assim, ao menos ficam resguardados da frustração que eu próprio senti e, que vive em permanência dia e noite nos seres estupidamente naturais. Quando reconhecer um qualquer estúpido façam-lhe um favor, especialmente se conhecerem a pessoa em causa, chame-o à parte e, na primeira oportunidade falem de coisas sérias, verá ao ponto a que pode chegar um estúpido. Assim de repente lembrei-me de uma estupidez, será a estupidez uma doença não declarada?

NOTA: No antigo site do Portal esta página foi lida 309 vezes

Artigos Relacionados

Pontos de vista sobre o lixo

Portal Alcanede

A Caridade na Verdade

Portal Alcanede

Quando deixaremos de ser tratados como “carne para canhão”?

Carlos Coelho