5.7 C
Alcanede
Quarta-feira ,19 Janeiro, 2022
Artigos de Opinião

Mensagem para Quaresma 2010

1. A Páscoa referência da vida cristã

Para os que procuram renovar as suas vidas, a quaresma é um período de grande riqueza espiritual, um “tempo oportuno para a nossa salvação”, como diz a liturgia.

Prepara-nos para viver a Páscoa, coração da nossa fé e referência fundamental da vida cristã. De facto, a entrega de Cristo na cruz por nós e a Sua vitória sobre o mal e a morte pela ressurreição é o acontecimento fundamental do cristianismo que deve marcar e transparecer na nossa existência, pois através do Baptismo tornamo-nos participantes da vida nova do Senhor Ressuscitado. A vida baptismal, porém, é um caminho laborioso a percorrer ao longo da nossa peregrinação terrena. Desenvolve-se e aperfeiçoa-se no Crisma e na Eucaristia e desabrocha na vida nova em Cristo que convida a renunciar ao mal e a progredir na comunhão e na configuração com o Senhor.

Podemos, pois, entender a quaresma como um percurso de conversão que nos aproxima da luz e da santidade de Cristo Ressuscitado. Se a Sua luz penetrar mais profundamente na nossa vida e nos transformar, então poderá, através das nossas obras, resplandecer mais visivelmente no mundo: “Brilhe a vossa luz diante dos homens”. Venho, pois, convidar todos os queridos diocesanos de Santarém para viver com fruto o santo tempo da quaresma de 2010 e apresentar algumas sugestões com essa finalidade.

2. Fortalecer a identidade

Levando-nos a viver o centro da nossa fé, a quaresma ajuda-nos a fundamentar a identidade cristã num ambiente de confusão e de relativismo. À luz da Páscoa, concluímos que acreditar na ressurreição é acreditar na vitória da vida que passa pela cruz, na capacidade de conversão do coração humano, na força da bondade, na possibilidade de revestir a santidade que resplandece no rosto de Cristo. Quem vive a fé cristã participa da vitória de Jesus sobre o mal, no triunfo da justiça, do amor, da esperança. Tem consciência de que essa vitória exige renúncia e combate contra as forças da mentira, do erro, da injustiça, do egoísmo, da ambição e da inveja. O crente vive no mundo mas não se deixa guiar pelos critérios do mundo. Segue antes o caminho do Senhor e luta contra a “escravidão da corrupção para alcançar a liberdade na glória dos Filhos de Deus” (Rm 8, 21).

3. Vencer os impedimentos

Para iluminar a nossa consciência acerca dos desvios para que todos somos tentados e dos impedimentos que deparamos no percurso para liberdade dos filhos de Deus, o tempo quaresmal apresenta-nos, logo no primeiro domingo, as tentações que Jesus enfrenta no deserto. Representam a força do mal que nos desvia e dificulta no caminho do Senhor: a dependência do consumo, da vaidade, da ambição do poder. São o espelho das tentações de todos os tempos, das nossas também.

No ambiente de permissivismo que hoje se respira pode-se ignorar o apelo do mal e viver ao sabor das inclinações naturais e dos valores que a sociedade acha modernos. Quem segue os seus próprios apetites, interesses e propostas publicitárias, acaba por diluir a distinção entre bem e mal e corre o risco de se deixar escravizar pela corrupção, como alertava São Paulo no texto atrás citado. Notamos como muita gente, que se julga livre por fazer o que lhe apetece, acaba por tornar-se dependente dos bens materiais, do politicamente correcto, da fachada exterior de êxito ou de moderno, dos próprios caprichos, etc. Na verdade, não progredimos no caminho de Cristo que conduz à vida em plenitude, se não tomarmos consciência da força do pecado e não nos fortalecermos com os exercícios espirituais, como Jesus no deserto.

4. Fortalecer os ritmos de vida cristã

Acompanhemos, na quaresma, o retiro de Jesus no deserto e procuremos na nossa vida maior recolhimento, fugindo do ruído e da dispersão e encontrando momentos para a reflexão da Palavra de Deus. Recomendo, nesse sentido, um tempo semanal mais prolongado para a escuta orante da Bíblia, através do chamado “Retiro popular” para o qual foram publicados subsídios adequados. Assim fortalecemos o ritmo fundamental da escuta da Palavra de Deus e enriquecemos o ritmo da oração.

O ritmo semanal das missas do domingo deve ser a base e o centro da vivência da quaresma. Nelas meditamos as grandes etapas da história da salvação e somos convidados ao conhecimento mais profundo de nós mesmos e a combater os nossos defeitos para celebrar a Páscoa com um coração renovado. Não esqueçamos a celebração do sacramento da reconciliação que revigora a nossa conversão.

Precisamos de cuidar atentamente do ritmo diário da oração. Neste exercício encontramos “a luz da alma”, a força interior que brota da presença e da protecção de Deus.

Jejum e partilha de bens. O jejum cultiva o desapego e convida à partilha com os necessitados No ano passado, recolhemos, da renúncia quaresmal, 32 mil euros que foram entregues, como estava prometido, para um projecto agro-pecuário de Nampula, Moçambique e para Caritas Diocesana. Este ano, vamos destinar a nossa partilha à reconstrução do Haiti, através do Instituto Missionário dos Monfortinos que foi duramente atingido pela tragédia do terramoto na relevante obra social e religiosa que tem a seu cargo nesse país. Através destes missionários, que prestam colaboração pastoral preciosa na nossa diocese, a nossa ajuda chega eficazmente às necessidades reais, tal como acontece com a Caritas.

Que o Santo Cura d’Ars nos inspire e proteja no caminho da conversão ao evangelho.

Santarém 12 de Fevereiro de 2010.

Manuel Pelino Domingues, Bispo de Santarém


NOTA: No antigo site do Portal esta página foi lida 259 vezes

Artigos Relacionados

Mensagem de Natal Bispo de Santarém

Portal Alcanede

Reflexões sobre cidadania por Alcanede

Portal Alcanede

“Mais Santarém” por terras de Alcanede …

Portal Alcanede