18.7 C
Alcanede
Quarta-feira ,12 Agosto, 2020
Alcanede Economia Sociedade

Loja “Coisas da Sila” abriu hoje ao público em Alcanede

Foi inaugurado este Domingo, 26 de Julho de 2020, em Alcanede, um novo espaço comercial dedicado ao vestuário. Principalmente vocacionada para a roupa de homem e senhora, a loja “Coisas da Sila” aposta também nos acessórios, costura e um pouco de artesanato.

O gosto pela costura esteve sempre presente na vida de Sílvia Vieira e assim que surgiu esta oportunidade não a desperdiçou, “foi uma vontade que começou já no ano passado”, sendo um desafio abraçado em conjunto com Paulo Vicente.

Em declarações ao Portal de Alcanede, os gerentes da loja reconhecem que os problemas resultantes da Covid-19 limitam as previsões, “não temos nenhuma expetativa em especial em relação ao futuro, mas vamos ver, temos que ir lutando”, esperançados que as mais-valias que apresentam sejam diferenciadoras.

A possibilidade dos clientes poderem escolher tecidos ao seu gosto para a criação das peças que desejarem é outra aposta dos proprietários, além de que Sílvia Vieira, que também gosta de pintura, apresenta uma zona dedicada à arte concebida por ela, “para já com poucas peças, mas a ideia, futuramente, é poder ter mais artigos”, disse.

Os gerentes querem apostar na relação de proximidade com os clientes e deixam o apelo, “para que visitem esta nova loja na freguesia”, lembrando que a região “tem estado um bocado parada no que respeita a evolução, embora parece que começam a aparecer algumas novidades, que achamos bom para o desenvolvimento”, afirmaram.

A loja “Coisas da Sila” está situada na rua do comércio, junto ao cruzamento, em Alcanede, e o horário de funcionamento será de 2ª a Sábado, entre as 9 e as 19 horas, com interregno para almoço a partir das 12h30 às 14 Horas.

Siga “Coisas da Sila” no facebook clicando aqui.

Artigos Relacionados

Viatura incendiou-se no centro da Vila de Alcanede

Paulo Coelho

Vamos todos ajudar o Sr. Joaquim Louro

Carlos Coelho

Veio esta manhã ao Centro de Inspeções a Rio Maior e nunca mais foi visto

Carlos Coelho