15.2 C
Alcanede
Terça-feira ,20 Abril, 2021
Política

ER 361 – Grupo Parlamentar “Os Verdes” questiona Governo sobre 2ª fase da obra

O impasse atualmente registado nas obras de requalificação da 2ª fase da ER 361, entre Amiais de Cima e Alcanena, levou o deputado do Grupo Parlamentar “Os Verdes”, José Luís Ferreira, a solicitar esta semana à Presidente da Assembleia da República (AR), Assunção Esteves, que remeta ao Governo algumas questões sobre o assunto.

Desde Setembro deste ano, esta é a segunda vez que deputados da AR pedem esclarecimentos sobre esta Estrada Regional, já que também o Grupo Parlamentar do Bloco de Esquerda solicitou, há cerca de dois meses, esclarecimentos sobre a 2ª fase da obra.

Perante a notícia do jornal O Ribatejo, edição de 14 de Novembro de 2013, em que a Estradas de Portugal anunciaram a realização de obras em várias estradas do Distrito de Santarém, avaliadas em cerca de 1,6 Milhões de euros, não constando a 2ª fase entre Amiais de Cima e Alcanena, o deputado José Luís Ferreira, questiona:

1.    “Como se explica que a dita obra de requalificação da ER 361 no troço entre Amiais de Cima e Alcanena ainda não tenha sido realizada?
2.    Já foi realizado o Estudo de Impacto Ambiental? Em caso negativo, porque não e em que fase se encontra o mesmo?
3.    Já existe Declaração de Interesse Público da referida obra? Em caso negativo, que diligências foram já desenvolvidas nesse sentido?
4.    Já existe financiamento previsto para a mesma obra?
5.    Para quando se prevê o lançamento a concurso da 2ª fase da obra em questão?”

Na sustentação dos pedidos de esclarecimento, o deputado do Grupo Parlamentar “Os Verdes”, segundo refere o jornal O Ribatejo na sua edição online, recorda que “há já mais de 3 anos, o mesmo jornal noticiava, a propósito do lançamento da 1ª fase desta obra (troço entre Alcanede e Amiais de Cima) que por lançar ficava a segunda fase de requalificação desta estrada regional, no troço entre Amiais de Cima e Alcanena, visto que o troço precisa de correções nalgumas curvas e carece da realização de um estudo de impacto ambiental que terá que ser aprovado pelo Parque Natural das Serras d’Aire e Candeeiros”.

Segundo o deputado, “no relatório da petição promovida pelo Movimento Cívico pela Repavimentação da ER 361 entre Alcanede e Alcanena, subscrita por mais de 4.600 cidadãos, discutida em plenário da AR em 12-01-2011, consta que a obra de repavimentação do troço em questão estava dependente de um parecer do ICNB – Instituto da Conservação da Natureza e da Biodiversidade (atual ICNF – Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas), pelo que ficaria para uma segunda fase”.

A argumentação do deputado, lembra que “o problema prender-se-ia com a retificação de algumas curvas dentro do perímetro da Rede Natura 2000 e do Parque Natural das Serras d’Aire e Candeeiros (PNSAC) tendo o ICNB estado impedido de emitir o dito parecer entre Outubro de 2009 e Maio de 2010 por causa do processo de discussão pública da revisão do respetivo Plano de Ordenamento”.

José Luís Ferreira sublinha ainda que, “conforme destacou o Deputado António Filipe (PCP), na pergunta 3892/XI de 20-04-2011 dirigida ao Ministério das Obras Públicas, Transportes e Comunicações (nunca respondida), através de informações disponibilizadas pelo supra referido Movimento Cívico oriundas do Departamento de Gestão de Áreas Classificadas do Litoral de Lisboa e Oeste do ICNB, a Estradas de Portugal, S.A. solicitou-lhe, em 22-07-2009,parecer preliminar o qual foi emitido (parecer favorável condicionado) já em 10-09-2009!”.

O condicionamento do parecer respeitava ao Regulamento e Plano de Ordenamento do Parque Natural das Serras de Aire e Candeeiros e à Rede Natura 2000 que obrigava à realização de Estudo de Impacto Ambiental e à apresentação de declaração de interesse público local, regional ou nacional. Em 24-11-2009 realizou-se uma reunião entre o ICNB e a EP, na sede do PNSAC, onde o ICNB reiterou a sua posição e a do seu parecer, refere O Ribatejo.

Por isso, o deputado afirma que “custa muito a entender que, passados mais de 3 anos, esta obra, numa via estruturante para a economia e desenvolvimento daquela região, designadamente na ligação dos polos empresariais de Alcanede, no norte do concelho de Santarém, e de Alcanena ainda não tenha arrancado, nem tenha agora sido sequer anunciada por parte da EP”, citámos.

Artigos Relacionados

Novo executivo da Junta de Freguesia de Alcanede

Paulo Coelho

Marcelo Rebelo de Sousa vence em Alcanede com 68,81% dos votos

Carlos Coelho

Programa de candidatura de Nuno Carreira (PS) é apresentado no domingo dia 10 de setembro

Carlos Coelho