11.4 C
Alcanede
Sexta-feira ,3 Dezembro, 2021
Artigos de Opinião

E do perto se faz longe. A opinião de Idália Serrão

No passado Domingo, a convite do Provedor da Santa Casa da Misericórdia de Pernes, recentemente eleito, e na qualidade de deputada da nação, assisti à sua tomada de posse, bem como à tomada de posse dos mesários e dos restantes órgãos sociais que o vão acompanhar durante o próximo triénio. Sendo meu propósito escrever neste portal sobre temáticas relacionadas com a freguesia de Alcanede poderão, neste momento, estar a questionar-se sobre a relação da minha ida a Pernes com Alcanede.
Há de facto uma relação. Que me acompanhou naquela tarde de domingo enquanto fazia o caminho de volta para Almoster. Encontram-se ambas a aproximadamente vinte e cinco quilómetros de Santarém: Alcanede a vinte e seis e Pernes a vinte e um. Ambas foram, no passado, sede de concelho. Ambas têm a sua Santa Casa da Misericórdia. Ambas possuem uma Escola EB 2,3 fazendo hoje parte do mesmo agrupamento escolar.

Foi precisamente nesta semelhança que dei comigo a pensar que, se por um lado a distância absoluta é aproximada entre a sede de concelho e estas duas freguesias, já a situação é bem diferente quando comparamos a sua distância relativa. A distância relativa entre Santarém e Alcanede é claramente muito superior à de Santarém a Pernes. De facto, a qualidade das duas principais vias rodoviárias que as ligam a Santarém é muito diferente.

Na minha viagem de regresso a casa não deixei ainda de pensar naquela que foi a bandeira apregoada pela maioria que há cerca de oito anos governa o nosso município: a requalificação da estrada que liga Santarém à freguesia de Alcanede. Foi, não nos esqueçamos, uma das suas promessas eleitorais das últimas eleições autárquicas. Terá sido essa a preocupação que levou o Executivo da Câmara Municipal de Santarém a integrar na ordem de trabalhos da reunião de Câmara de 7 de Dezembro de 2009, uma proposta, com a denominação que passo a transcrever: “Requalificação da Ex-EN 362, na Zona Noroeste do Concelho de Santarém”. Desta forma terão procurado dar cumprimento à promessa eleitoral de requalificar a estrada entre Santarém e Alcanede.

No entanto, para surpresa dos dois eleitos do Partido Socialista presentes nessa reunião, e para espanto de todos os alcanedenses, este ponto foi retirado sem qualquer explicação. Até hoje, a escassos sete meses de ser concluído o presente mandato, nunca mais este assunto foi trazido à reunião de Câmara. Nem consta de qualquer ata que qualquer vereador com competências delegadas tenha emitido opinião contrária, ou mesmo defendido a sua realização.

Quase à beira de novo ciclo autárquico, importa enfrentar com realismo os compromissos que se irão assumir. Enfrentar necessidades mas simultaneamente identificar prazos e fontes de financiamento. Planear com responsabilidade. Um decisor político que faz promessas deve ter a coragem de assumir, justificando-se, que as não pode cumprir e não ignorá-las com o silêncio. São as promessas vãs que minam a confiança entre eleitores e eleitos.

Na minha viagem de regresso a casa não pude deixar de pensar em todos estes acontecimentos. Passado mais este ciclo autárquico, a viagem entre Santarém e Alcanede continua a ser feita pela mesma via; os protagonistas continuam sem explicar porque se resignaram; e as gentes de Alcanede continuam a afirmar-se pelo progresso e pelo desenvolvimento económico e a utilizar uma rede viária desadequada, mas que não os faz esmorecer.

Idália Serrão
Candidata à Câmara Municipal de Santarém pelo Partido Socialista

Artigos Relacionados

Segurança, a nossa!

Portal Alcanede

Uma camisa-de-onze-varas

Portal Alcanede

A história da Susana Horta de Alcanede

Carlos Coelho