19.9 C
Alcanede
Sábado ,19 Junho, 2021
Sociedade

Covid-19: Ricardo Gonçalves lamenta atos irrefletidos de alguns que colocam em causa esforço de todos

O concelho de Santarém volta a estar em estado de alerta após chegar esta segunda-feira, 31 de maio de 2021, a uma incidência cumulativa a 14 dias de 80. Indicadores que levam Ricardo Gonçalves a lamentar os “atos irrefletidos e menos responsáveis que fizeram aumentar os casos positivos em Santarém”.

O autarca não esconde o desapontamento e afirma que “é lamentável que, neste caso específico, o descuido de uns, coloque em causa o esforço de todos”, e que devido a esse “descuido, que está identificado, temos hoje 8 novos casos positivos no concelho de Santarém e uma incidência cumulativa a 14 dias de 80, o que já coloca o nosso concelho em alerta, e obriga a um aumento da testagem”, escreveu no seu mural do facebook.

O Presidente da Câmara Municipal de Santarém confirma que a situação “exige medidas, e está a ser acompanhada de perto pelas entidades competentes ACES Saúde Pública, PSP e PC”, pedindo e agradecendo “o empenho de todos no combate a esta pandemia. É um combate sem tréguas, e que vamos vencer juntos!”, disse.

O surto terá tido origem numa festa de aniversário que decorreu no fim-de-semana de 22/23 de maio de 2021 no concelho de Santarém.

Nas últimas 24 horas contabilizaram-se mais 8 casos positivos de Covid-19 do que no dia anterior, bem como mais 7 casos ativos e mais 55 (+ 49 que ontem) em vigilância ativa.

Estes dados foram divulgados esta segunda-feira, 31 de maio de 2021, pelo Aces Lezíria e constam do relatório diário emitido pelo Serviço Municipal de Proteção Civil da Câmara Municipal de Santarém.

Dados 31/05/2021: Serviço Municipal de Proteção Civil da Câmara Municipal de Santarém

Artigos Relacionados

Xartinho e Mata do Rei sem água há vários dias entre as 18 e as 22 horas

Paulo Coelho

Covid-19: Concelho de Santarém com 70 casos confirmados e distrito 297 nas últimas 24 Horas

Portal Alcanede

Rainha do carnaval de Santarém é de Alcanede

Paulo Coelho