15.5 C
Alcanede
14 Dezembro, 2018
Entrevistas

Conceição Gaspar, “Todas as decisões tomadas foram as possíveis e adequadas para levar o barco a bom porto”

A tomada de posse dos corpos gerentes da Santa Casa da Misericórdia de Alcanede, eleitos no passado dia 13 de dezembro de 2015, realiza-se no sábado dia 9 de janeiro, pelas 15 horas, nas instalações da instituição. No cargo desde 2003, a provedora Conceição Gaspar, ocupa no novo elenco diretivo o lugar de presidente da assembleia geral, sendo substituída por Fernando Azinheira.

Em entrevista ao Portal de Alcanede, Conceição Gaspar, fala das motivações que a levaram a abraçar a causa, sublinhando que a atual situação financeira da instituição está estável, ficando livre de encargos financeiros dentro de 2 a 3 anos, contraídos enquanto provedora. A ex provedora que esteve à frente dos destinos da Santa Casa de Alcanede, considera que o novo elenco diretivo reúne todas as condições para prosseguir a caminhada.

conceicaogasparQuais foram as razões que a levaram a abraçar esta causa desde 2003?
Tendo conhecimento de que a instituição existe para servir o próximo pela prática das obras de misericórdia, abracei a causa com todas as minhas forças físicas, intelectuais e morais pois estou convicta de que como humana existo, para com os olhos em Cristo, servir, amar, rir, chorar, apoiar o irmão que precisa de mim, pela prática contínua da caridade. Valeu a pena; porque “é dando que se recebe”.

Ao olhar hoje para a instituição, o que sente na hora de deixar o cargo de provedora?
Sinto uma grande Alegria. Apesar de muitas dores de cabeça, muito, muito esforço e por vezes momentos de desalento, os meus objetivos foram atingidos. Centro de dia condigno, instalações para o Lar, obra concluída e a funcionar com boas condições, todas as valências em pleno e bom funcionamento, acompanhar o dia-a-dia dos utentes que preenchem totalmente as vagas, sentir que estão felizes neste novo lar onde encontram compreensão, carinho e muito amor, são para mim, motivos de realização pessoal, de orgulho, permitam-me a expressão, de felicidade.

Quais foram na sua perspetiva os principais momentos desta casa em termos de evolução?
A adaptação do restaurante em centro de dia. A aprovação da candidatura ao PARES para a construção do lar de idosos, meta atingida graças aos muitos apoios de diversas instituições, de muitos amigos e sobretudo de muitos industriais que aderiram às nossas petições, nos acolheram e financeiramente muito contribuíram para que esta obra fosse uma realidade. Devo acrescentar que a “dupla imbatível” (Aida e eu) pedimos a todos os conhecidos e a muitos que não conhecíamos mas que nos foram indicados. Foi muito doloroso para nós mendigar…
Conseguimos a angariação de fundos que, associado ao empréstimo contraído deu vida à boa e bonita obra social que é para mim, para nós, grande motivo de orgulho e agradecimento. A instituição evoluiu e desenvolveu muito as suas competências ao longo destes anos.

E no que diz respeito ao aspeto social?
A Santa Casa, no âmbito social tornou a sua ação mais abrangente, pelo alargamento da prestação de serviços a mais utentes carenciados a muitos níveis. Com maior rigor, mais perfeição no atendimento e no acolhimento sinto que temos conseguido contribuir para minimizar o sofrimento, a solidão, o abandono, e até o desespero de muitos irmãos. Temos dado de comer a quem tem fome, roupa a quem precisa, apoio moral aos que nos procuram, amor e dedicação aos necessitados de que temos conhecimento, indo ter com eles, procurando-os, temos acolhido e dado pousada aos peregrinos. Ao longo destes anos temos contribuído, com cursos e aconselhamentos para o desenvolvimento cultural da população. Socialmente falando temos contribuído com bom desempenho para o desenvolvimento integral da comunidade onde estamos inseridos.

Financeiramente qual é a situação da instituição?
A Santa Casa, depois da grande tempestade, encontra-se numa situação financeira estável. O primeiro empréstimo foi liquidado em novembro passado. Dentro de 2 ou 3 anos ficará livre de encargos financeiros contraídos enquanto provedora.

Há alguma preocupação em especial?
Há sempre preocupações. Embora tenha a certeza que o novo provedor irá continuar a obra, mantendo e desenvolvendo as capacidades da instituição no campo social, humano e religioso, sei que muito foi feito mas há muito para fazer, visando sempre os interesses dos utentes e da comunidade em geral para que os nossos irmãos vivam com dignidade como é aspiração de todos nós. O atingir destes e de outros objetivos é preocupação, como é óbvio.

Mudaria alguma coisa nas decisões que foram tomadas ao longo destes anos?
Não. Creio piamente que todas as decisões tomadas foram as possíveis e adequadas para levar o barco a bom porto e conseguirmos atingir os objetivos a que nos propusemos. Foi difícil, por vezes muito difícil, tomar decisões, mas com pés bem assentes no chão, com a ajuda de Deus e a colaboração de todos os elementos colaboradores, mesários, chegámos e cortámos a meta.

Relativamente ao lar de idosos e ao centro de dia, como é que estamos em termos de lotação?
Tanto no lar como o centro de dia e o apoio domiciliário estão esgotados na sua lotação, verificando-se, de quando em vez, uma vaga ou outra nas duas últimas valências, mas por pouco tempo.

Há capacidade de aumento?
Para já não há capacidade de aumento, porque as estruturas existentes não o permitem. Todavia, se surgirem novas candidaturas para construção, creio que a Santa casa aproveitará para a ampliar as instalações e ou criar novas valências. Para o bem e desenvolvimento da comunidade, todos os esforços são poucos.

Qual é o tempo médio de espera para entrada?
É imprevisível o tempo de espera para entrar no lar, como se compreende. Temos uma lista de espera organizada e em circunstâncias idênticas, a prioridade é dos irmãos, seguindo-se os das inscrições mais antigas, para o lar e para as outras valências.

Na sua perspetiva com uma população cada vez mais envelhecida, o que é que o futuro pode reservar aos idosos de Alcanede?
Apesar de haver 2 instituições de solidariedade social na freguesia de Alcanede, verifica-se por vezes a procura de residências particulares, concluo que talvez não sejam suficientes face às necessidades para acolhimento de idosos. Creio todavia que, como tudo está em constante mudança, consigamos no amanhã, dar resposta a tantos outros idosos com carências normais ou especificas no nosso meio. Temos andado a pensar seriamente nestes últimos e na forma como dar resposta.

O que nos pode dizer em relação ao voluntariado?
Continuamos a ter alguns voluntários que com toda a sua boa vontade têm dado um precioso auxílio à instituição. Há muita gente que podia, se quisesse, ajudar o próximo, as nossas instituições. Mas é difícil sair do conforto do lar para dar a mão a quem muitas vezes não se conhece!… É aqui que reside a virtude: “Ama e serás amado”! Esperamos que o Senhor toque mais profundamente nesses corações.

Que esperanças deposita no novo elenco diretivo de que faz parte?
O novo elenco diretivo reúne todas as condições para prosseguir a caminhada. Gente com vontade, coragem, capacidade de decisão, discernimento, amor ao próximo, capaz de enfrentar calmamente as tempestades e encontrar soluções para os problemas que tenham de enfrentar. São pessoas boas, que desinteressadamente vão dar o seu melhor para bem dos nossos idosos e da própria instituição.
Aproveito para fazer um apelo a todos os amigos da Misericórdia. Continuem a apoiá-la com o vosso carinho, o vosso amor e se possível a vossa ajuda. Ao novo elenco desejo muita força, coragem, dedicação, espírito de sacrifício, colaboração e unidade. Deitem fora o orgulho, a vaidade que por ventura existam em vós e dêem-se a esta causa justa e nobre. “As dificuldades existem para estimular e não para tirar o ânimo. O espírito humano deve fortalecer-se na luta”. Com o Senhor a conduzir-vos tudo vencereis.

scma direcao

Portal Antigo Visualizações: 2484

 


Artigos Relacionados

Pedro Santos: “As filarmónicas devem ser implacáveis no que diz respeito ao seu património artístico”

Carlos Coelho

Cristina Neves – “A necessidade de um pavilhão multiusos existe há mais de 10 anos, mas sem recursos financeiros, como é que fazemos?”

Carlos Coelho

Movimento Mochila às Costas parte para a estrada em mais uma onda de solidariedade

Carlos Coelho