17 C
Alcanede
Quinta-feira ,13 Maio, 2021
Alcanede Coletividades Sociedade

CMS concede apoio de 5 Mil euros à Associação dos Amigos de Vale do Carro, Várzea e Casais Limítrofes

A autarquia de Santarém vai atribuir uma verba de 5 Mil euros à Associação dos Amigos de Vale do Carro, Várzea e Casais Limítrofes. A decisão foi aprovada em reunião de câmara, realizada na segunda-feira, 25 de janeiro de 2021.

A nota de imprensa divulgada pela Câmara Municipal de Santarém, indica que o apoio financeiro atribuído à associação tem como objetivo “realizar trabalhos de construção na sua sede, para melhorar as capacidades de acolhimento em segurança e conforto”, citamos.

Além deste incentivo para as obras de requalificação da sede da Associação dos Amigos de Vale do Carro, Várzea e Casais Limítrofes, foram aprovados ainda “diversos apoios financeiros no âmbito da política de apoio à educação, ao desporto, ao associativismo cultural, às freguesias, bem como a instituições de solidariedade social do concelho”, lê-se na informação.

No que respeita à educação, e no âmbito do projeto Eco-Escolas, programa internacional da “Foundation for Environmental Education”, desenvolvido em Portugal desde 1986 pela Associação Bandeira Azul da Europa (ABAE),o Município “aprovou um apoio financeiro no valor de 560 euros, para o ano letivo de 2020-2021”.

O montante indicado é destinado a pagar a anuidade das escolas inscritas no projeto referido, “no valor de 70€/cada”, onde se incluem a EB 2,3 de Alcanede e o Centro Escolar de Alcanede, assim como, a EB 2,3 D. Manuel I de Pernes, EB de Amiais de Baixo, EB de Amiais de Cima, Centro Escolar Salgueiro Maia, EB 2,3 Alexandre Herculano e a Escola Secundária Dr. Ginestal Machado.

Foto: Associação dos Amigos de Vale do Carro, Várzea e Casais Limítrofes

Artigos Relacionados

As “Mal Tratadas” saem à rua no dia 2 de agosto

Carlos Coelho

Novos órgãos sociais da Santa Casa de Alcanede assumem o lema “o primado das pessoas”

Portal Alcanede

EDP promete solução para perigo iminente em Ribeira dos Moinhos

Paulo Coelho