14.7 C
Alcanede
Domingo ,25 Fevereiro, 2024
AlcanedeCultura

Bandinha da Moca assinala 15 anos com grande festa dia 18 de junho em Alcanede

A Bandinha da Moca vai celebrar o seu XV Aniversário com a realização de um grande convívio, a realizar no próximo dia 18 de junho de 2022, no Parque Desportivo de Alcanede. A festa de anos é do conhecido grupo musical, mas as prendas são para todos os que participarem no evento que irá contar ainda com as atuações dos Camisas Negras, Ganda Malha, Rui Saraiva, David C e Dj Luxx.

Em “vésperas” de assinalarem os 15 anos de vida, o Portal de Alcanede falou com Tiago Cruz, músico da Bandinha da Moca, que em nome dos restantes elementos nos contou como tudo começou, os desafios que se colocaram e colocam ao grupo, os projetos que têm em mente para o futuro, o orgulho de representarem a freguesia e, claro, sobre a festa de aniversário.

Portal de Alcanede (PA) Antes de olharmos para as atividades do XV Aniversário, recorda-nos as origens da Bandinha da Moca. Como é que surgiu a ideia de formar o grupo?

Bandinha da Moca (BM) –A ideia de Formar o grupo Bandinha da Moca surgiu em algumas solicitações de atuações com um grupo reduzido, para animações itinerantes, como também tasquinhas, batizados e casamentos.

PA –Inicialmente com quantos elementos? E hoje, quantos músicos?

BM –Inicialmente o grupo foi fundado por 10 elementos: O Sr. Albino Lopes, João Vitorino, Rodrigo Nobre, Bruno Simões, José Antunes, Jorge Gaspar, José Castela, Ricardo Duarte e Nelson Inácio. Neste momento somos entre 9 a 12 músicos, ainda com grande parte dos fundadores. A ausência de alguns prende-se por motivos profissionais, mas sempre com a porta aberta para regressarem às suas origens. Alguns seguiram caminhos ligados à música, por exemplo o Nelson Inácio que neste momento está na Banda do Exército, nos Açores, e outros colegas que, por razões profissionais, estão fora do pais.

Neste lote de fundadores nunca esqueceremos o Sr. Albino (o Ti Albino), que infelizmente partiu há bem pouco tempo e que sempre esteve connosco, sempre ao nosso lado até, praticamente, à sua partida terrena e no dia 18 de junho será lembrado por todos nós.

Por motivos de logística, neste momento, as nossas atuações são feitas com 9 elementos, mas sempre alternando músicos.

PA –Todos vós com formação musical, principalmente adquirida na Sociedade Filarmónica Alcanedense (SFA)?

BM – É verdade, todos com a formação principal adquirida na SFA.

PA –Imagino que em 15 anos de vida, muitas histórias tenham para contar. Existe alguma em particular que de alguma maneira a Bandinha não esqueça e que vos tenha marcado?

BM –Claro que sim, em cada atuação da Bandinha existe uma história para contar porque vamos a muitos lugares, com grande diversidade de atuações, muitas pessoas com quem lidamos e tudo isso. Para nós são momentos que ficam gravados.

Mas sim, temos uma história que de certeza todos iremos relembrar e que tem a ver com o convite que o nosso amigo Quim Barreiros nos fez para gravar o videoclip do “Hino dos Vagineiros”, em que a proposta passava por ser gravado na nossa freguesia, com as pessoas de Alcanede. Achamos que isso demonstrou o reconhecimento do nosso percurso ao longo destes anos. Em várias atuações cruzámos com o Quim Barreiros e ele lançou-nos o projeto, um enorme desafio que aceitámos com muita satisfação. Para o próximo ano, talvez, surjam mais novidades, a pandemia veio aqui travar alguns projetos que tínhamos em mente e sabemos que foi extensível a todos.

Algumas vezes as nossas atuações são bem longe de Alcanede e levamos o nome da nossa freguesia a vários pontos do país. Sabemos que isso poderá passar despercebido a algumas pessoas, mas tentamos sempre divulgar, e creio que temos conseguido, deixar a nossa marca e o nome de Alcanede em destaque.

PA – Nos últimos anos têm sido vários os grupos formados com características idênticas à vossa. Recordo-me, por exemplo, que a Bandinha do Castelo esteve na génese, os Camisas Negras e mais recentemente os Ganda Malha. Seguramente que existe espaço para todos, isso deve-se ao forte associativismo que temos na nossa região? Ao estilo/conceito que implementam nas vossas atuações?

BM –A Bandinha do Castelo foi a primeira Bandinha a ser formada na freguesia de Alcanede e, passado algum tempo, têm vindo a formar-se mais bandinhas, mais grupos. Existe espaço para todos e mercado para todos, cada grupo com o seu estilo e a sua marca de referência. O mercado cada vez mais procura diversidade de estilos destes grupos e o associativismo proporciona que sejam criadas estas bandinhas para também podermos responder ao que nos é solicitado.

Importante, será sempre, cuidarmos da nossa identidade e do nosso trabalho, cuidarmos do nosso grupo (união) e se todos o fizerem, todos conseguiremos atingir o que se tem vindo a criar ao longo destes anos. Se andarmos preocupados com aquilo em que os outros andam ou pensam em fazer, corremos o risco de ficarmos pelo caminho e andarmos mais preocupados com os outros do que propriamente connosco. Neste momento os grupos que existem são grupos com grande nível de performance. E é um enorme prazer quando nos cruzamos em atuações, porque também estamos a falar de grupos onde temos amizades pessoais. Pensamos que o caminho será sempre esse.

PA – A pensarem no futuro, sabemos que deram o passo de criarem para a Bandinha da Moca uma associação. Quais os principais objetivos?

BM – Sim, em 2019 decidimos criar uma associação que tem o nome de Associação Recreativa e Cultural Bandinha da Moca, uma associação sem fins lucrativos. Sentimos essa necessidade para que estivéssemos alinhados com o futuro. Temos uma carrinha própria, que é o nosso meio de transporte para todas as atuações, e temos alguns projetos idealizados, mas a pandemia veio atrasar um pouco as nossas ambições.

Um dos objetivos da criação desta associação, passa por podermos realizar, em Alcanede, algumas atividades culturais ligadas com o estilo do nosso grupo. Tudo indica que este ano vamos participar no concurso de charangas em Villa de Padul (Espanha) e, futuramente, quem sabe se não poderá ser a Bandinha da Moca a organizar um festival de charangas na nossa terra para o nosso povo também poder usufruir destes momentos? Uma das nossas metas também será a aquisição de uma nova carrinha, entre outros projetos, que certamente terão conhecimento em breve. Temos tudo para andar para a frente e unidos, claro, seremos sempre mais fortes.

PA –Fora da freguesia de Alcanede, qual é que foi a zona mais distante onde atuaram?

BM –Lembro-me de Arco de Baúlhe, distrito de Braga! Certamente já tivemos outras mais longe, mas nesta recordamos a linda freguesia que pertence a Cabeceiras de Basto, foi uma festa muito gira, com pessoas que nos receberam de uma forma incondicional e que temos o privilégio de receber neste nosso aniversário. Um grupo de 20 elementos que desta vez virá à nossa festa.

PA – Como está a vossa agenda para o verão que se aproxima?

BM -Estamos a ficar com os fins de semana praticamente todos ocupados e isso é um sinal positivo para nós, como também para todas as comissões que aguardam o recomeço das festas praticamente há 2 anos.

PA – Em relação à festa de aniversário, dia 18 de junho é o dia que assinalará os 15 anos da Bandinha da Moca e com um cartaz que promete muito, tendo o Parque Desportivo de Alcanede como palco principal das atividades!?…

BM –Sim, é um espaço que a nossa junta de freguesia nos disponibilizou, um espaço super agradável e com condições espetaculares! Acima de tudo com condições para que todas as comissões, patrocinadores, amigos, população que nos tem vindo a dar trabalho ao longo destes anos todos possam vir disfrutar da nossa festa. A festa será para todos os que queiram estar presentes. Vai ser com o imenso agrado que os iremos receber.

PA – Será uma forma de abrir o “apetite” para as Festas de Alcanede que, acreditamos, voltarão em agosto deste ano após interregno forçado pela pandemia?

BM –Será uma forma, principalmente, de podermos dar em troca o que nos têm dado ao longo destes anos todos, festa, amizade, boa disposição, estar entre amigos, muita animação, conforto, tudo isso que temos vindo a receber ao alongo destes últimos 15 anos. Está na altura de sermos nós a proporcionar a todos o mesmo e vamos trabalhar para isso certamente.

Em relação à festa de Alcanede, irá certamente ser um ano de recomeço e novidades virão surgir brevemente.

PA –Muitos parabéns para a Bandinha da Moca e que venham muitos mais, sempre com boa disposição…BM –Agradecemos desde já ao Portal de Alcanede, Junta de Freguesia, patrocinadores e a todos em geral. Apareçam para a nossa festa no sábado, 18 de junho de 2022, a partir das 19h30, no Campo de Jogos de Alcanede.

Artigos Relacionados

Alcanede na rota da apresentação do livro “Centros Históricos Portugueses” de autoria de José Miguel Noras

Carlos Coelho

Rancho das Viegas pondera reativar Museu Etnográfico

Carlos Coelho

Festa de São Vicente regressa em grande a Murteira e Barreirinhas

Portal Alcanede